Novidades

Consumo de alimentos processados prejudica os intestinos das crianças


26/08/2016

Dois aditivos usados para melhorar a textura e aumentar a durabilidade de alguns alimentos ultraprocessados podem estar associados a um risco maior para doença intestinal inflamat e síndrome metaba. É o que sugere um trabalho sobre os efeitos dos emulsificantes polissorbato 80 e o carboximetil celulose em roedores. A pesquisa, realizada por bioquímicos da Universidade da Georgia, nos Estados Unidos, foi publicada na revista científica "Nature". A investigação constatou que os dois emulsificantes, usados como ingredientes de pães, bolos e biscoitos industrializados, provocaram alterações nas bactérias presentes no intestino dos animais.

Doença intestinal inflamat refere-se a um grupo de doenças que comprometem a qualidade da nutrição e, consequentemente, o bom funcionamento do organismo. Ela engloba a doença de Crohn, a retocolite ulcerativa (inflamação intestinal) e a colite indeterminada. Já a síndrome metaba é um conjunto de doenças associadas à resistência insulínica. Entre elas, a obesidade, a diabetes e a hipertensão arterial.

Segundo a nutricionista Ana L Augusto, professora adjunta do Departamento de Nutrição e Dietética da Universidade Federal Fluminense (UFF), alguns aditivos alimentares já têm sido relacionados a doenças na mucosa do intestino, por serem antígenos em potencial. Isto é, são capazes de estimular o sistema imunológico a uma determinada resposta, como reações de alergia e outros problemas.

"As doenças inflamats intestinais, como a doença de Crohn e a colite ulcerativa, são decorrentes de respostas imunolas alteradas, que possivelmente também ocorrem após exposição a antígenos, através de mecanismos diversos daqueles que ocorrem nas alergias alimentares. Partindo-se dessas premissas, aditivos alimentares, como corantes, conservantes e emulsificantes, são moléculas bem diferentes daquelas pras do organismo."

A especialista, que atua na área de Nutrição Clínica Infantil, acrescenta que o feno tem sido observado entre crianças: "Doenças autoimunes (aquelas em que o organismo ataca a si pro), como as doenças inflamats intestinais, que eram mais prevalentes e mais incidentes em adultos, passaram a ter um aumento de frequência na população infantil, inclusive em menores de 4 anos de idade. Alguns estudos sugerem, mas não comprovam, que o aumento do consumo de alimentos industrializados poderia atuar como auxiliar na instalação dessas doenças".

O desequilíbrio na flora intestinal também seria capaz de interferir na atuação da insulina no organismo e, consequentemente, nos níveis de glicose. "Os estudos apontam que a composição alterada da microbiota (microorganismos) intestinal poderia estar relacionada à obesidade e ao diabetes."

 A presença de aditivos químicos em alimentos é uma das preocupações da Organização Mundial de Saúde, que este ano elegeu a segurança alimentar como tema do Dia Mundial da Saúde, celebrado em 7 de abril. Um dos aspectos abordados é o excesso de substâncias potencialmente tas acrescidas aos alimentos em diversas etapas de seu cultivo e produção. Com o slogan "From farm to plate, make food safe", a entidade quer chamar a atenção para os riscos associados aos alimentos ultraprocessados.

 Além disso, uma das preocupações é o uso de antibios na criação de animais destinados ao consumo humano e o de pesticidas nas lavouras. Em diferentes documentos, a entidade afirma que a "segurança alimentar e nutricional significa acesso equitativo a alimentos de alta qualidade ricos em micronutrientes e contendo quantidades mínimas de aditivos e resíduos químicos (pesticidas, fertilizantes, horms e antibios) necessários para assegurar a produção sem comprometer a saúde humana".

Um futuro melhor pro seu filho? Saiba dizer não. http://www.obesidadeinfantilnao.com.br

 



Leia também


26/08/2016

Vídeo: uma dica de nutrição pode mudar sua vida!


Muitos cidadãos de Jaguariúna tiveram a sorte de "beber da fonte", absorvendo dicas de alimentação diretamente de nosso professor. Assista!

26/08/2016

Saber cozinhar reduz </br> risco de obesidade e danos ao meio ambiente


Conheça quatro receitas que podem ser feitas com a ajuda dos pequenos. E sem desperdício!